Sábado, 28 de Maio de 2005

Do Brasil para Portugal. Crónica de um amigo.

 


 


UM MONSTRO EM PORTUGAL



Crônica urbana
João Ferreira
28 de maio de 2005




Era um dia quase de festa, com Lisboa agitada por bandeiras vermelhas. O Benfica ainda celebrava a vitória no campeonato português. Eu estava de férias em Lisboa e resolvi passear, descer a pé da Praça do Rossio até à Praça do Comércio para recordar as jóias arquitetônicas e o comércio da Baixa Pombalina. Havia uma coisa que me perturbava. Todo o mundo falava naqueles dias do monstro que assolava Lisboa e ameaçava colocar todo o país em pânico.
Inicialmente fiquei meio receoso. Mas aos poucos fui admitindo que não estávamos em tempos medievais para acreditar logo-logo que um lobisomem andava por ali. Mas bom mesmo seria observar, ouvir e aguardar para ver o que significava isso de um monstro real na capital portuguesa daquele país maravilhoso de Fernando Pessoa. Por outro lado coçavam-me a memória o falatório sobre Ovnis no Brasil e as imagens dos Ets visitando a Terra.Entre realidade e imaginação, continuei minha jornada turística em Lisboa. Tomei o comboio na estação de Alcântara até Cascais num percurso sempre beirando a foz do Tejo já em namoros com o mar. Mas a imagem do monstro me perseguia e inquietava, por onde quer que fosse. Nas praças, nos elétricos, nos comboios, nas ruas,como se fosse um pesadelo.
Tomando um café com um amigo na linda cidadezinha de Cascais, perto do Estoril, ele me deixou com mais dúvidas na cabeça. Meio enigmático, simplesmente me alertou que Portugal era vítima de um monstro. Havia por estes dias um clima nítido de que Portugal era um país sujeito à ditadura do monstro. Um discurso destes me atarantou mais ainda. Me parecia que eu estava cercado. E que minhas férias estavam ameaçadas. Pois, se até o meu amigo me confirmava a existência do monstro em Portugal. Como sair dessa?
Afonso era um intelectual da Universidade Nova de Lisboa e tinha o diagrama perfeito de seu país. Isso me levava a acreditar nele. Depois, estava com o jornal na mão. Um jornal importante: o “semanário econômico”. De relance, sem que ele me dissesse uma única palavra, peguei a manchete: “Medidas para conter o monstro”. Fiquei mais atemorizado ainda.Seria verdade mesmo?
Na minha cabeça ia confirmando que não era inteira ficção nem imaginação popular aquilo de que se falava. Meu amigo era bastante calado e não se abalançava a fazer maiores comentários sobre seu país. Na minha cabeça planava clara a idéia: se o Governo estava tomando medidas para conter o monstro é porque o monstro de facto existia.
Puxa! E agora?
Antes de regressar ao Hotel passei por uma banca de jornais, na Baixa. Achava que uma notícia dessas não podia passar despercebida aos jornais. Seriam eles os grandes postos avançados para detectar a figura do monstro. Para me munir bem de todas as informações e ter a noção adequada sobre a existência do tal monstro, era necessário comprar um bom molho de jornais e revistas. Interessante: essa preocupação portuguesa com o monstro coincidia com o momento em que na França se preparava uma nova revolução destinada a convencer os cidadãos franceses para dizerem sim à Constituição Européia. Comprei o “Semanário econômico”, “Visão”, uma bela revista de atualidades, “Diário de Notícias”, “Correio da Manhã”, “Jornal de Notícias" do Porto... para levar comigo e ler no Hotel.
Estava disposto a vigiar também os noticiários da TV. Me encontrava quase naquele situação de sobreviver com os portugueses aos ataques do monstro medonho que ameaçava em cada esquina.
Já no táxi a caminho do Hotel, vi que o jornal "Expresso" tinha uma manchete luminosa e aterradora: “Sócrates ataca o monstro.” Não tive tempo de ler a notícia: só a manchete. Mas isto carregava ainda mais o horizonte que já estava escuro..
Cheguei ao Hotel. Meio embalado e pressionado pelos temores que trazia da rua, sondei entre os garçons da portaria, o jovem Vasco Miranda, sobre esse negócio do monstro em Portugal.
-Ele foi taxativo:
-Senhor doutor, isso tem uma história.
Fiquei muito curioso e disse:- Me conte, por favor.
Mas o senhor Vasco era contido por algum receio:
-Eu não sei se posso contar, senhor doutor. Somos empregados e eu não sei se a gerência do hotel me autoriza a desvendar este segredo para os clientes. De mais a mais trata-se de um segredo que dizem ter nascido de razões de Estado...
Misterioso este Vasco.
-Mas, senhor Vasco, o que parece é que isto é apenas uma história que corre por aí. Meramente popular. Não tem lado político, parece. Não tem que ter medo de me contar.E eu sou um turista que quero apenas saber notícias sobre o monstro em Portugal. Dentro de quatro dias vou embora e gostaria de saber contar essa história .
-Pois é, senhor doutor, voltou o Vasco Miranda. Dizem que quem soltou a notícia por aí foi gente da política. Me dizem também que quem melhor sabe do segredo é o dr. Cavaco Silva, ex-primeiro ministro.
-Ah é? Mas como é que um político ia se meter numa história tão popular, uma história da rua, que é a existência de um monstro???
-Disseram-mo, senhor doutor.
O Vasco ficou me olhando. Mas percebi que não iria dizer muito mais. E eu não queria fundir minha cuca ali.
Fui deixar minhas coisas no apartamento e desci novamente para a rua, disposto a desvendar aquele mistério do monstro em Portugal.Passei pelos Restauradores e na gare do Rossio resolvi meter conversa direta com alguns populares que iam tomar o comboio de Sintra.
Me acerquei de um senhor negro, que me disse ser africano da tribo balanta da Guiné-Bissau.
-O Senhor mora há muito tempo em Portugal? perguntei – Seis anos, respondeu. –Me diga uma coisa:-O que é esse negócio de monstro em Portugal, perguntei.
-Monstro? Meu caro senhor não sei nada de monstro. O senhor vai em qualquer fila de taxistas, em qualquer pontio da cidade e pergunta a um dos taxistas. Eles sabem todos os segredos da praça. Sabem tudo de "fofoca", como os senhores dizem lá no Brasil. Estão sempre bem informados, desde o aeroporto até ao palácio de Belém.
Tomei o metro, via Avenida da Liberdade, até à praça do Saldanha. Já diante de um grupo de motoristas de táxi, disparei:
-Meus senhores, boa tarde.
Me dirigindo a um deles:
-Desculpe. Sou um turista brasileiro. E gostaria de uma gentileza do senhor. De uma informação. O que é que há de verdade sobre a existência de um monstro que está afligindo todos os Portugueses ?
-Monstro?
-Sim, monstro. Dizem que há um monstro em Portugal.
-Ó Manel, explica aqui para o senhor doutor como é essa coisa do monstro.
-Monstro?
-Ah, sim disse o senhor Nuno Álvares. É uma história longa. E o povo agora tomou conta dela. O Governo está para aí tentando reformas e os jornais estão falando de um monstro, que o povinho não sabe ainda bem o que é. Dizem que foi o doutor Cavaco Silva que viu esse monstro pela primeira vez...
-É mesmo? perguntei. Mas o monstro existe ou não?
-O monstro continua à solta, disse, vivíssimo em seus olhos, o Zeca da Freixianda..
-Sabe o que é, senhor doutor, atalhou o Vicente na roda dos taxistas do Saldanha. O monstro que impressionou o senhor e não lhe explicaram bem é o déficit português. Déficit de 6,83.O mais alto da Europa. É claro que isto impressionou país. E o doutor Cavaco, que já foi primeiro ministro, batizou o déficit, e disse com todas as letras que este é o "monstro" que ameaça devorar Portugal.
-O povo botou fala e com razão. E quando se diz que o dr. Sócrates ataca o monstro, é a notícia de que o primeiro ministro vai apresentar um projeto para anular esse déficit. Zerar esse déficit será matar o monstro.
-Ah, disse eu aliviado e pronto para continuar minhas férias...
-Até que enfim... Consegui dormir, finalmente, sem sonhar com o monstro naquele dia atribulado que passei em ambiente lisboeta.


publicado por marce às 19:07
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Apetece-me saltar!

salta.gif (10954 byte)


 


Apetece-me saltar!


Correr mundo...


Com a infâcia solta ao vento


E, a liberdade no coração.


Sem impostos, sem pensar na vida


 


Solta, solta


Num salto longo


Olhar o mundo


Sentir o seu som profundo


Apetece-me saltar!


 


Olhar para trás e ver a vida


num sonho


Sem Sócrates no sapato


Santana ou Durão.


 


Solta, solta


Num salto longo


Olhar o mundo


Sentir o seu som profundo


Apetece-me saltar!


 


Sentir os olhos correr


por montes e vales


Não saber de crises


ou de deslizes...


 


Quero saltar tudo isso


abraçando amores


saboreando paixões


e, de cabelos ao vento


 


Solta, solta


Num salto longo


Olhar o mundo


Sentir o seu som profundo


Apetece-me saltar!


Maricelper


 

publicado por marce às 09:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Maio de 2005

Flores para a Formiguinha...

 



 


Para a Formiguinha


Pela sua alma nobre


Pela sua sensibilidade


Pela sua inteligência!


Pelo contributo para um mundo melhor.


 

publicado por marce às 20:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 1 de Maio de 2005

Encontros Weblogs

2encblog


 


 


 


                                


                           2º Encontro de Weblogs


Universidade da Beira Interior


14 e 15 de Outubro 2005

publicado por marce às 02:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Meu Perfil

 

Nome: Maricelper
Idade: heheh! Bem crescidinha...
Gosto de: Saborear as coisas boas da vida
Vivo: em Lisboa, Portugal
Objectivo deste BOLG: Escrever sobre as "coisas da vida"

 

 

 

 

 

 

 
 
Escreva-me!

bichos.bmp

 

 

 


referer referrer referers referrers http_referer

 

Outros Blogs

 

 

Sítios que Visito:

 

 

:: Alma(da) Nossa Terra

 

:: Alma de Poeta

 

:: Atrium

 

 

 

:: Blogs do Parlamento

 

 

 

:: Cenários dum País

 

:: Cidade Surpriendente (A)

 

blog Coisas & Loisas

 

0009.GIF

 

 

 

:: Do Portugal Profundo

 

 

 

 

 

 

 

:: Formiguinha

 

 

 

 

 

:: Golpe de Vista

 

Grilinha

 

 

 

link.gif

 

 

 

:: Index Poesis

 

 

 

Jardim de Sonhos

 

:: Jornal Torre do Selo

 

 

 

 

 

 

 

:: Lado Esquerdo

 

:: Luzes do Tecto

 

 

 

:: Macua

 

Mudar o template

 

 

 

 

 

:: O Sabor das Palavras

 

 

 

:: Pedaços de Histórias

 

 

:: Pedaços de Mim

 

 

 

Pezinhos de la

 

:: Poesia Vadia

 

 

 

 

 

:: Ribeira de Pena

 

 

 

 

 

:: Sonhos Urbanos

 

 

 

:: Tinta Permanente

 

 

 

 

 

 

:: Voando sobre a Realidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 


...:Copie Aqui o Meu Link:..

 

 

.pesquisar

 

.Fevereiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Chuveu, finalmente!

. Centro de Saúde de Odivel...

. Curiosidade...

. Vamos assinar!

. Museus

. Bom 2006

. ...

. ...

. Um mimo online!

. Quanto ao meu gatinho

.arquivos

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Agosto 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Eu vou nº 1

.Os animais são nossos amigos

gatos.jpg

 

ANIMAIS.jpg

 

GATO1.jpg

 

galinha1.jpg

 

 

 

 

blogs SAPO

.subscrever feeds